sexta-feira, 16 de abril de 2010

Masculino, feminino, e verborréia


A língua portuguesa tem suas características, algumas até comuns também em outros idiomas.

Um exemplo típico que varia em todo idioma é o GÊNERO das palavras (substantivos, adjetivos, pronomes, formas de tratamento, e em alguns casos até na concordância verbal).

Em algumas línguas existem os gêneros MASCULINO, FEMININO e NEUTRO. Umas raras incluem ainda o gênero DUAL. Outras tantas nem definem gênero (nem masculino, nem feminino, é tudo neutro), mas nem por isto deixam de reconhecer o caráter macho e fêmea de alguns seres e até de certos objetos inanimados e conceitos abstratos.

No Português admitimos os gêneros MASCULINO e FEMININO, que não necessariamente coincide com os respectivos gêneros em outros idiomas para as mesmas palavras (exemplo: Sol e Lua no Alemão e Português são de gêneros contrários: o Sol e a Lua, die Sonne und der Mond).

A gente reconhece e associa a noção de Macho às palavras masculinas (ex: homem másculo) e de Fêmea às palavras femininas (ex; intuição feminina) como regra geral, com aceitação de casos de exceção (ex: o motorista; a piloto). Mesmo que a terminação da palavra não seja reveladora ou seja neutra, os artigos se encarregam deste papel de não generalizar e de atribuir gêneros a elas (ex: o/a estudante, a/o especialista, o/a repórter, a/o amante, a/o presidente).

Genericamente falando, podemos identificar o macho nas palavras terminadas por "O" e a fêmea nas terminadas por "A", nos adjetivos e nas denominações de animais, profissões e nomes próprios.

Exemplos:
Gato e Gata; Rato e Rata; Coelho e Coelha; Búfalo e Búfala; Urso e Ursa;
Bravo e Brava; Belo e Bela; Feio e Feia; Doido e Doida; Esperto e Esperta;
Médico e Médica; Cozinheiro e Cozinheira; Técnico e Técnica;
Namorado e Namorada; Esposo e Esposa; Filho e Filha; Neto e Neta;
Antônio e Antônia; Mário e Maria; Paulo e Paula.

Isto, muito em função e influência dos artigos definidos serem "o" e "a" para o masculino e feminino, respectivamente, em português.

Por outro lado, exitem vários casos onde a simples troca de gênero da palavra resulta em significado e conceito completamente diverso. Curiosamente, quase todo mundo fala naturalmente e sem se dar conta desse contraste.

Exemplos:

- o cigarro X a cigarra ;
cigarro (objeto tóxico para fumar)
cigarra (inseto barulhento)


- o tango X a tanga;
tango (música e dança argentina)
tanga (pequena peça de vestuário que tenta cobrir as partes íntimas)


- o luto X a luta;
luto (sentimento de respeito aos mortos)
luta (briga, contenda, embate, esforço)


- o porto X a porta
porto (local de onde partem, chegam ou ancoram embarcações marítimas, fluviais, aéreas ou espaciais - temporais ainda não)
porta (passagem ou obstáculo para entrar em ou sair de algum lugar)


- o copo X a copa
copo (recipiente para conter líquido para beber)
copa (parte da casa onde se reúnem pessoas para comer alimentos, ou parte das árvores tal como sendo "a cabeleira de galhos e folhas", e ainda uma taça ou também um torneio de futebol)


- o rodo X a roda
rodo (tipo de vassora que puxa ou empurra água no chão)
roda (parte redonda dos veículos que facilita seu arrastro, ou reunião/agrupamento de pessoas em círculo)


- o lixo X a lixa
lixo (restos ou entulho a ser jogado fora, ou recipiente para conter isso)
lixa (superfície áspera usada para raspar outra superfície)


- o prato X a prata
prato (recipiente para servir temporariamente a comida que será comida)
prata (metal valioso de cor acinzenta e brilhante quando polida)


- o boto X a bota
boto (mamífero aquático de rio, aparentado dos golfinhos e delfins marítimos)
bota (indumentária do vestuário para proteger os pés, calçado de cano longo)


- o caso X a casa
caso (situação entre outras possibilidades, ou romance amoroso extra-matrimonial)
casa (construção para abrigar seres, local onde esses seres habitam)


- o Pedro X a pedra
Pedro (pessoa, nome de homem)
pedra (rocha)


- o lábio X a lábia
lábio (parte delicada da abertura da boca)
lábia (argumentação usada para convencer alguém de algo)


- o verbo X a verba
verbo (palavra que designa ação ou estado)
verba (dinheiro destinado ou reservado para algum gasto específico e autorizado para esse propósito)


Este último exemplo serviu de inspiração para uma genial composição de Lenine / Lula Queiroga, cuja letra da música chamada "Rosebud" (ainda não sei por quê) ou "O Verbo e a Verba", eu reproduzo aqui, com os meus aplausos.

Dolores, dólares...

O Verbo saiu com os amigos
pra bater um papo na esquina.
A Verba pagava as despesas,
porque ela era tudo o que ele tinha.
O Verbo não soube explicar depois
por que foi que a Verba sumiu.
Nos braços de outras palavras
o Verbo afagou sua mágoa e dormiu.

O verbo gastou saliva,
de tanto falar pro nada.
A Verba era fria e calada;
mas ele sabia, lhe dava valor.
O Verbo tentou se matar em silêncio...
E depois, quando a Verba chegou,
era tarde demais: o cadáver jazia,
A Verba caiu aos seus pés
a chorar lágrimas de hipocrisia.

Dolores e dólares...
Que dolor que me da los dólares
Dólares, dólares
Que dolor, que dolor que me dá





Bônus:

dúvida cruel:
se o contrário de masculino é feminino,
por que tem meninO na palavra fe'minino?

explicação plausível:
porque a mulher carrega o bebê dentro de si!


3 comentários:

Mari disse...

Pois é André...
Quando eu penso que já li tudo...vem você com suas postagens inteligentes...
Fico imaginando como se dá o seu processo criativo...com certeza, fruto de uma mente extremamente observadora!
Lenin é fera mesmo!
Um beijo

Mai disse...

Bom, já sabes que gostei.
Um texto com esmero é assim - Uma aula que, estou certa, nenhum professor de português pensou em dar.
E certamente faria alunos de todas as idades pararem para compreender o tema.
Aplaudindo você e o Lenine porque eu adoro esta canção - música e letra.

Beijos, André.
Genial!

Andre Martin disse...

O que eu ainda não sei é "por que" o Lenine chamou a música de Rosebud.

Mas descobri "o que" é Rosebud.
É uma palavra "misteriosa", a última pronunciada quase sussurrada pelo rico moribundo, e que, apesar de ninguém estar por perto para escutar ou saber disto, o filme inteiro restante de Cidadão Kaine é procurando seu significado ou quem seria.

Bem, talvez seja por isto mesmo: no fim, ninguém sabe nada mesmo, nem de VerbAs nem de VerbOs!