quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Espelhos (1): amor e ódio

Muitos dizem que é bastante tênue a linha
entre o AMOR e o ÓDIO.
Sentimentos muitas vezes de alta intensidade
e que caminham em DIREÇÕES OPOSTAS.
Por vezes, passa-se de um ao outro,
em questão de minutos, até por motivos banais
(talvez nem tanto para aqueles que experimentam isto).

Amor, Love, Amour, Amore, Liebe, Ai, Pyara, Lyubvi, Agápi, Grá, ...
Ódio, Hate, Haine, Odio, Hass, Nikushimi, Napharata, Nenavisti, Mísos, Gráin, ...
Um e outro, sentimento comum aos seres humanos e expressos em vários idiomas.
(respectivamente: português, inglês, francês, italiano, alemão, japonês, hindi, russo, grego, irlandês)

Mas foi no inglês que conseguiram expressar essa dualidade,
ambigüidade simétrica, tão bem, como demonstra a seguinte foto,
em que a palavra aparece escrita numa camiseta, diante do espelho:

(foto circulando pela internet, por email)

7 comentários:

Carmem L Vilanova disse...

Incrível... jamais havia visto tanta similaridade nas letras vista assim, através do espelho... muito bom mesmo!
Parabéns, amigo! Fez-me pensar!
Beijos, flores e muitos sorrisos!

disse...

Adoreeei ! quero uma camiseta dessa!!!

Eu ainda acho que amor e ódio são coisas muito distintas, mas enfim ... muitos dizem que não! acho o amor tão bonito e o ódio tão feio, como podem ser tão similares? D:

beijos :*

Andre Martin disse...


Carmem:


O que me admira, além do respeito pela portadora da camiseta, é a genialidade e arte humana, capaz de imaginar e realizar coisas assim, simples e originais.

A princípio, seria uma palíndrome impossível. Mas alguém percebeu isto, à primeira vista! Trata-se apenas do jeito genial de escrever o que se quer demonstrar, seja monstruoso ou não.

Andre Martin disse...


má (mas nem tanto assim rsrs):


Eu também!!! rsrs

Quando o amor é intenso, e não correspondido, não é muito difícl atravessar essa linha e passar para o sentimento oposto, com igual ou pior intensidade... Infelizmente.

Mas felizmente, o reverso ocorre, ainda que raramente: pode-se aprender a amar muito aquela pessoa antes odiada (o ódio seria razao de amor rejeitado?).

Enfim, acho que você ainda tem muito chão para percorrer até poder chegar a conclusão que pode mudar de idéia de sua convicção atual.

Boa sorte! Muito Love em dois mil e Nove, e que 2010 seja nota dez!

mfc disse...

Interessantímo!

Andre Martin disse...


mfc:


Eu também achei:
interessantíssimo...
interessante ao íntimo...
inter ex-santis me...
em ter estimas...
interesse anti-mo(fo)...
estresse no timão...
e suas respectivas palíndromes, sejam elas quais forem! rsrs

Andre Martin disse...

Duas situações e quatro combinações,
e tem gente pra tudo:

1) tem gente que odeia amar;

2) tem gente que ama odiar;

3) tem gente que odeia odiar;

4) tem gente que ama amar.

Será que existe muita diferença resultante entre os casos 1 e 2 acima?

Não vejo impeditivo que os dois casos 3 e 4 acima ocorram concomitantemente...